A tecnologia digital a jato de tinta continua a ganhar terreno aos métodos de impressão mais tradicionais. Philip Easton, diretor do departamento Digital Printing Solutions da Domino, analisa de que forma as empresas de impressão e conversão de etiquetas com maior visão de futuro podem retirar vantagens das novas aplicações compatíveis com a impressão digital a jato de tinta, e como pode esta tecnologia impulsionar o negócio.
Philip Easton - Digital Printing Solutions da Domino
Philip Easton, Diretor do departamento Digital Printing Solutions da Domino

É cada vez menos habitual, nos dias que correm, acreditar que o sector da impressão tem pela frente um futuro brilhante. Mas é exatamente esse o caminho das empresas de impressão e conversão de etiquetas dotadas de visão de futuro, se souberem aproveitar as oportunidades empresariais que a tecnologia digital a jato e tinta oferece.

Conforme vai crescendo a sofisticação tecnológica, os conhecimentos e a confiança entre os utilizadores, também se começa a verificar uma convergência de aplicações bem como o surgimento de oportunidades às quais não era anteriormente possível aceder com métodos de impressão mais tradicionais.

Se tivermos em conta as previsões do mercado, as tendências no campo da embalagem e da impressão digital de rótulos e etiquetas apontam para um forte crescimento nos próximos anos. Segundo a Pira International, prevê-se que o mercado global de impressão digital de etiquetas a jato de tinta atinja, em 2015, cerca de 3.500 milhões de dólares. Em linha com a tendência de subida deste mercado, a consultora Infotrends calcula que as vendas globais dos sistemas de impressão digital de etiquetas a jato de tinta também aumentem, atingindo um total de 91 milhões de dólares em 2016. É sem dúvida um crescimento exponencial.

Embora a impressão a jato de tinta não seja novidade, o ano de 2013 representou um marco na introdução de soluções digitais inkjet de última geração. Não há qualquer dúvida sobre a sua qualidade da impressão e os custos de execução e a produtividade são significativamente melhores do que as oferecidas por outras tecnologias de impressão. Para além de tudo isso, permite produzir uma gama mais ampla de trabalhos com resoluções de 600dpi a velocidades até 75 metros por minuto. As capacidades que estas novas soluções apresentam permitem oferecer magníficas oportunidades a todas as empresas que as queiram aproveitar. Além disso, os novos níveis de produtividade diminuem ainda mais as fronteiras entre a tecnologia digital e a impressão flexográfica.

A tecnologia digital a jato de tinta está a adquirir uma cada vez maior aceitação no mercado e este crescimento está a ser liderado por diversas empresas. Ainda que a qualidade da impressão seja obviamente um elemento fundamental para as empresas de manipulado e de impressão de etiquetas, também o é a necessidade de uma maior eficiência produtiva em aspetos com a produção just in time e a adaptação local, que exigem tiragens mais reduzidas e ajustes imediatos.

As marcas também esperam que os fornecedores de etiquetas ofereçam soluções mais sofisticadas, capazes de apresentar campanhas publicitárias mais inovadoras e criativas.

Verifica-se, por exemplo, o uso generalizado de aparelhos móveis inteligentes, que impulsionam a utilização de códigos QR em etiquetas de produtos e embalagens.

Ainda que todos estes avanços tragam novos desafios, as oportunidades surgem precisamente da maior procura destes serviços. A tecnologia a jato de tinta da próxima geração proporciona soluções viáveis, acessíveis e rentáveis que se ajustam a esta nova procura e que são capazes de oferecer texto de alta qualidade, identificação de produtos, códigos de barras, QR e 2D, dados variáveis e logótipos e gráficos sofisticados.

EXEMPLOS

Para as empresas com visão de futuro que reconheçam o potencial oferecido pela impressão a jato de tinta, estas novas tendências em etiquetas e embalagens flexíveis representam também a oportunidade perfeita para se posicionarem como parceiros capazes de acrescentar valor às promoções das marcas dos clientes, em vez de serem apenas meros fornecedores de etiquetas.

No caso das aplicações de impressão de dados variáveis, a curto e médio prazo, serão as soluções híbridas, em que as cabeças de impressão inkjet se integrem nas linhas flexográficas tradicionais, a ter maior impacto sobre estas aplicações de etiquetas; veremos ainda a ampla adoção de impressoras de etiquetas digitais a jato de tinta da nova geração, que acabarão por ter uma maior presença no mercado.