Requisito fundamental para obter rentabilidade no negócio

José Antonio Martínez. Consultor de leanprinting e de melhoria dos processos na LTCaM.

Cada dia é mais importante ser rápido nas mudanças de nossos trabalhos. Esta sensibilidade está crescendo de maneira progressiva nos meus clientes. Na minha opinião, existem quatro causas que tornam patente esta necessidade:

  • A tirada dos pedidos é cada vez menor, pelo qual as mudanças tem peso mais específico (eu diria crítico) no custo industrial de nossos trabalhos. Ou somos rápidos na mudança ou não seremos rentáveis nas tiradas curtas (as grandes já não existem).
  • Para muitos de nossos clientes orçamos com base nas tarifas fundamentais de mudanças vantajosas (cálculos de acordo com uma época melhor). Se no curso da produção temos que encaixar essa preparação dentro de uma sequência trabalhosa (cor direta, material difícil, tamanhos extremos, etc), ou somos ágeis na mudança ou perdemos dinheiro.
  • Dentro de nossa competitividade existem empresas que tem feito novos investimentos em máquinas com notáveis ajudas tecnológicas. Se queremos competir com a elas serão necessárias mudanças futuras.
  • Em certos tamanhos de tiradas temos que competir com a impressão digital, onde praticamente não existe a mudança de trabalho. Ou somos rápidos preparando ou será impossível competir com a tecnologia digital.
  • Passo pois, a partilhar com vocês três idéias que lhes poderão ajudar a melhorar esta parte da produção “vital” para a rentabilidade dos seus negócios. É muito importante trabalhar com estes três aspectos em conjunto, pois são como as três pernas de uma banqueta e se lhe falta alguma esta já não se sustenta.

MELHORA NAS TAREFAS E NOS QUE OPERAM A MÁQUINA

Faz referência a como trabalhamos na máquina. No contexto do LeanPrinting existem metodologias que agilizam esta faceta produtiva. Passo a contar-lhes qual é o itinerário para a implementação:

  • O primeiro de tudo é obter um ambiente de trabalho limpo e organizado. Se não temos um lugar para cada coisa e cada coisa em seu devido lugar, perdemos muito tempo procurando ferramentas ou nos deslocamos desnecessariamente durante a preparação de um pedido. Este objetivo se consegue com a conhecida metodologia dos 5 S.
  • Depois, tem que ter constância de como trabalhamos atualmente (sequência de operações e tempo empregado) e analisar se temos potencial de melhora para mudar mais rapidamente. Isto conseguimos com a padronização do trabalho, dizendo, com uma análise dos métodos e tempos.
  • A terceira parte consiste em implementar técnicas de melhora nos tempos de mudanças SMED. Esta metodologia foi desenvolvida pela Toyota no século XX, obtendo resultados espetaculares.

CORRETA GESTÃO DA MANUTENÇÃO E CALIBRAÇÃO DA MÁQUINA

Está demonstrado que mais da metade do tempo dedicamos a ajustar o trabalho (tonalidade, registro e acabamentos). Se uma máquina está com boa manutenção e calibrada, seremos capazes de arrancar e produzir em sequência, caso contrário, a preparação se torna interminável.

  • Planejamento e a execução proativa da manutenção preventiva. Não esperar para fazer manutenção quando há pouco trabalho ou quando a máquina estiver com problemas.
  • Controlar e monitorar as constantes da máquina que influem na qualidade do produto impresso (estado da água, temperaturas e insumos).
  • Buscar a solução das avarias e dos problemas técnicos da máquina de imediato. Não permitir que estes aspectos se tornem crônicos.
  • Calibrar as curvas de impressão da máquina de acordo com o é necessário, de acordo com os papéis que se imprime habitualmente.

FACILITAR UMA PRODUÇÃO FLUIDA POR MEIO DOS PROCESSOS AUXILIARES

Este aspecto é também fundamental e quase sempre evidente. Aqui ponho o foco em dois processos que incidem diretamente na execução de uma produção nivelada e fluída.

  • Processo de planejamento. Quando por o plano em prática:
    • Pensar nas datas de entrega e também em como podemos facilitar uma sequência de mudanças leves (unificar os formatos, materiais, acabamentos, cores diretas, etc).
    • Planejar mudanças fáceis quando iniciar as atividades nas segundas -feiras pela manhã e passar para as mais complicadas quando as máquinas já estejam quentes e estabilizadas.
  • Realização das ordens de trabalho (OT`s)
    • Padronizar e simplificar o conteúdo da OT evitando confeccionar ” testamentos” com várias páginas que contém tudo e todos os processos. Isto provoca múltiplas consultas e erros.
    • Não fazer modificações manuscritas, difíceis de interpretar e com perda de informação e rastreamento no ERP.
    • Confeccionar e publicar a OT digital para todos os departamentos que tenham acesso e que seja facilmente atualizável.