Uma oportunidade para evitar o desperdício de alimentos

A redução do desperdício de alimentos é um esforço global. A meta 12 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) é “Garantir padrões de consumo e produção sustentáveis” e inclui a meta “Até 2030, reduzir pela metade o desperdício alimentar per capita global no varejo e no consumidor e reduzir as perdas de alimentos na produção e redes de fornecimento […] ‘.

Os Estados-Membros saudaram a iniciativa e as autoridades reguladoras, como a Comissão Europeia, estão a avaliar, entre outras questões, as regras para os retalhistas doarem alimentos excedentes. Muitos varejistas, proprietários de marcas, fabricantes e fornecedores do Reino Unido também se comprometeram a cumprir as metas do Courtauld Pledge 2025, que visa melhorar a eficiência dos recursos e reduzir o desperdício no setor de alimentos do Reino Unido.

In co Consequentemente, a indústria adotou novas soluções e tecnologias para reduzir o desperdício de alimentos, incluindo recipientes que podem ser lacrados, embalagens menores e embalagens unitárias, e tem feito esforços para aumentar a vida útil do produto tornando-os mais eficientes. sistemas de transporte e armazenamento.

Mas e quanto à causa mais comum de desperdício de alimentos entre os consumidores: o prazo de validade dos alimentos?

Lee Metters, diretor de desenvolvimento de negócios do Domino Printing Sciences (Domino) Group, discute as várias práticas e requisitos internacionais em relação à indicação do melhor antes e das melhores datas em alimentos e examina como uma melhor consistência e clareza na rotulagem de alimentos poderia ajudar a reduzir desperdício.

Revisão de terminologia

De acordo com uma pesquisa do Programa de Ação de Resíduos e Recursos (WRAP), 7,3 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçados a cada ano no Reino Unido. Cerca de 660 mil toneladas desse resíduo – ou seja, quase 10% do total – deve-se, de alguma forma, à rotulagem da data. Parte do problema é a maneira como os diferentes compradores interpretam a data dos rótulos nas embalagens dos alimentos.

O desafio é agravado por diferenças no uso de terminologia e regulamentos em relação à indicação de datas nos alimentos s. Até recentemente, era comum ver ‘exibir por’ e ‘vender por’ em varejistas do Reino Unido, enquanto na UE eram frequentemente vistos ao lado de ‘melhor antes’ e ‘uso por’. Em contraste, nos EUA, por não usar descrições uniformes e universalmente aceitas nos rótulos dos alimentos, os consumidores se deparam com expressões como “expiração”, “data de validade”, “de preferência antes de”, “venda antes de», «melhor antes de», «De preferência até», e a lista continua.

Porém, exceto pela indicação de “prazo de validade”, nenhuma dessas datas está relacionada à segurança do produto. Por exemplo, as indicações “consumir de preferência antes”, “de preferência antes” e “consumir de preferência antes” referem-se à data em que um produto terá o melhor sabor ou qualidade, enquanto “expor até” e “vender por” indicam ao varejista por quanto tempo o produto pode ser exibido para venda para fins de gerenciamento de estoque.

Em 2017, o WRAP, juntamente com a FSA e o Ministério do Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais do Reino Unido (DEFRA), emitiu novas recomendações destinadas aos varejistas para dar aos compradores uma indicação mais simples e consistente sobre a data no rótulo. O documento Guia de Rotulagem – Melhores práticas para rotulagem de datas de alimentos e recomendações de armazenamento recomenda a prática de “ter um único rótulo com a data em cada produto”.

O guia também recomenda aplicar “prazo de validade” apenas quando houver um motivo de segurança alimentar para fazê-lo e fornece ajuda sobre quando usar informações adicionais, como instruções de congelamento e armazenamento. Deve-se notar que o documento WRAP se destina a ser usado em conjunto com o Regulamento (UE) nº 1169/2011 sobre informações sobre alimentos ao consumidor, o Regulamento (Reino Unido) sobre informações sobre alimentos de 2014 e outros guias relacionados, e não se destina a substituir as orientações já em vigor.

Revisão dos padrões de encontros gastronômicos

Embora os padrões de datação sejam diferentes entre os países, há uma distinção entre as datas relacionadas à qualidade do produto e aquelas relacionadas à segurança, saúde e bem-estar do consumidor.

No Reino Unido, a organização de pesquisa e consultoria em alimentos Campden BRI deixa claro que os consumidores não devem consumir um produto após o “prazo de validade” por razões de segurança. No entanto, a indicação “consumir de preferência antes” aborda – de acordo com a Food Standards Agency (FSA) – “qualidade e não segurança”. Essa recomendação é semelhante na França, onde a Agência Nacional de Segurança Alimentar, Ambiental e Ocupacional menciona que o “prazo de validade” deve ser respeitado e que, após essa data, o produto “legalmente não é adequado para consumo, pois representa um risco à saúde do consumidor ”.

Saber como a vida útil do produto é determinada é benéfico para entender a relevância e a importância desses rótulos de data. De acordo com Campden BRI, existem muitas formas de análise para estabelecer a data de validade e a data de validade de um produto.

Para a data de expiração, você pode realizar um teste de vida útil no qual o produto é embalado e então testado microbiologicamente por um período de tempo especificado. Uma vez que as substâncias microbiológicas excedam certos níveis, o produto será considerado como tendo atingido o “fim da sua vida útil”. Outras formas de teste incluem modelagem preditiva, na qual o software é usado para prever a vida útil de um produto, ou um teste de estimulação, no qual microorganismos são introduzidos em um produto embalado para ver se eles crescem.

No caso de datas preferenciais de consumo, podem ser realizados testes como a análise sensorial, que avalia a aparência, cheiro, sabor e paladar dos produtos; análise de textura, que testa o ranço em produtos de panificação e pastelaria; e análise química, com a qual aspectos como impurezas e ranço são avaliados no perfil de sabor de um produto.

O aspecto da qualidade do melhor antes da data levou alguns a acreditar que essas datas são arbitrárias e que até encorajam o desperdício de alimentos. No entanto, o WRAP menciona que a presença de um rótulo de data de qualquer tipo reduz a probabilidade de as pessoas jogarem fora os alimentos antes do cumprimento da data, o que indica que essas indicações podem ter seu peso no combate ao desperdício alimentar. .

Na UE, não há atualmente nenhuma exigência legal de que frutas e vegetais frescos e não cortados tenham um rótulo de data, embora o uso de um código de data em produtos de vida curta com um tempo limitado para consumo possa encorajar os consumidores a comer os alimentos antes isso estraga. O WRAP recomenda remover os rótulos de data dos produtos frescos, conforme apropriado, e encoraja as pessoas a usarem seu julgamento sobre quando os produtos frescos devem ser consumidos.

Iniciativas internacionais para reduzir o desperdício

Organizações em todo o mundo têm lutado para resolver a confusão dos consumidores em torno da rotulagem de datas, na tentativa de reduzir o desperdício de alimentos. No Reino Unido, a campanha Love Food Hate Waste visa aumentar a conscientização sobre a necessidade de reduzir o desperdício de alimentos e oferece conselhos práticos para ajudar as pessoas a desperdiçar menos alimentos. Por sua vez, a organização dinamarquesa Too Good To Go colabora com o homem y outros de outros países, incluindo Noruega, Áustria, Suíça, Portugal e Polônia, para reduzir o desperdício de alimentos.

A organização defende uma rotulagem mais clara das datas, bem como iniciativas que permitem que lojas, cafés e restaurantes locais vendam ou doem alimentos excedentes, em vez de simplesmente jogá-los fora. Em um relatório recente intitulado Datas de expiração, uma ideia desatualizada? (Datas de validade, uma ideia desatualizada?), A organização apóia a pesquisa WRAP que indica que 49% da população europeia acha que informações melhores e mais claras sobre o significado do melhor antes e das melhores datas ajudariam a desperdiçar menos comida em casa.

Um trabalho significativo foi feito para combater essa causa subjetiva de desperdício, incluindo a campanha Frequentemente Good After, que lembra os consumidores de que os alimentos ainda podem ser comestíveis após a data especificada se tiverem cheiro e gosto bom. Essa campanha incentiva o consumidor a confiar em seus sentidos para analisar a vida útil do produto. Vários fabricantes de alimentos, incluindo Unilever, Carlsberg e Arla Foods, colaboraram com a Too Good To Go para tornar a iniciativa uma realidade. A Carlsberg e a Arla Foods adicionaram uma declaração “Normalmente bom depois” para certas cervejas e laticínios, e a Unilever adotou o rótulo para suas três mini-refeições de macarrão de arroz Knorr.

Algumas das alternativas

Como muitos fabricantes de alimentos recebem bem as iniciativas internacionais para reduzir o desperdício, a pesquisa de materiais de embalagem alternativos ao plástico também está ocorrendo em segundo plano. A embalagem alternativa pode estender a vida útil de muitos produtos; não só oferecem conveniência, mas também minimizam o desperdício. Muitas entidades do setor se manifestaram sobre a pressão que as empresas enfrentam para reduzir o uso do plástico sem aumentar o desperdício de alimentos.

A indústria – incluindo fabricantes de alimentos e supermercados – está cada vez mais ciente de que pode haver um aumento no desperdício de alimentos devido à redução de plásticos. Isso pode mudar se o setor for informado sobre as alternativas ao plástico. Atualmente, algumas datas de validade são previstas para novos materiais de embalagem e os produtos geralmente começam com uma vida útil mais curta, que é então estendida conforme o andamento dos estudos.

Grupos e iniciativas como o NanoPack, um projeto financiado pela UE, estão apoiando o uso de embalagens alternativas a fim de estender a vida útil dos produtos por meio do uso de tecnologias ativas de embalagem de alimentos. Outras metodologias incluem o uso de materiais produzidos a partir de plantas ou alimentos em filmes de embalagem ou revestimentos protetores e o uso de nanopartículas antioxidantes, conforme relatado em um relatório recente da PreScouter.

Embora todo esse trabalho seja crítico, ao adotar qualquer novo material, Campden BRI diz, a vida útil do produto deve ser redeterminada. Se forem utilizados materiais alternativos, esse processo também deve envolver a avaliação do próprio material de embalagem, bem como dos alimentos dentro do recipiente. Isso é extremamente importante na hora de codificar esses produtos, que deve ser correta para garantir que o alimento não estrague antes de chegar ao consumidor.

Conclusão

Este é claramente um processo de longo prazo para os fabricantes de alimentos, e muitos estão demonstrando seu compromisso com a redução do desperdício de alimentos por meio de parcerias com organizações que se destacam neste campo. Temos visto inúmeras iniciativas da indústria ou organizações pesquisando materiais de embalagem alternativos e tentando resolver a confusão em torno da marcação de data em uma tentativa de reduzir o desperdício de alimentos e tornar a embalagem de alimentos mais sustentável, e esses são sinais de que medidas estão sendo tomadas na direção certa.

À medida que os regulamentos continuam a mudar, os fabricantes de alimentos e bebidas devem se esforçar para colaborar com organizações que tenham conhecimento atualizado dos requisitos de codificação de datas e regulamentos de codificação e marcação para que possam continuar a cumprir os regulamentos e contribuir para o objetivo global de redução desperdício de comida.