José Antonio Martínez Director de Producción de Aries Innovación Gráfica blog: www.lean2win.com
José Antonio Martínez

Director de Producción de Aries Innovación Gráfica

blog: www.lean2win.com

Quando se visita uma empresa gráfica é muito frequente ver alguma desordem na zona de trabalho. Salvo exceções, o espaço é devidamente organizado apenas quando se prevê receber uma visita importante, à qual se quer passar uma boa imagem. Lamentavelmente, ida a visita, tudo volta a ser como antes. Definitivamente, estamos relativamente acostumados a trabalhar em locais onde os resíduos e a falta de organização é uma constante.

Esta situação pode ser consequência das características próprias do nosso negócio: pressa, execução dos trabalhos de acordo com as encomendas (sempre diferentes), ambiente industrial e, a acrescentar a isso, somos das “artes” gráficas, onde o artista (e suas excentricidades) se encontra acima dos processos.

A questão é que, se temos uma gráficadesorganizada e suja, perdemos muitas oportunidades de melhorar o seu funcionamento. As consequências negativas desta situação são:

  • Numerosas perdas de tempo por demoras na produção;
  • Avarias mais frequentes nas máquinas, mais difíceis de reparar;
  • Buscas constantes de documentos, materiais, etc;
  • Maior risco de acidentes;
  • Baixa motivação dos empregados.

De seguida, passo a enumerar, segundo minha opinião, as quatro razões pelas quais vale a pena manter ordem e limpeza na gráfica:

1. COERÊNCIA.

Quando tudo está sujo e caótico estamos, subliminarmente, a comunicar aos nossos clientes que não estamos muito interessados ou preocupados com os pequenos detalhes.

O cliente, muito facilmente, pode pensar: “e com meu trabalho…serão igualmente descuidados, tal como são com as suas instalações? ”

2. INEFICIÊNCIA.

Quer dizer, desperdício. Se passamos muito tempo à procura de elementos extraviados durante o curso de produção (ferramentas, documentos, consumíveis), dedicamos recursos a algo que não acrescenta valor ao nosso trabalho.

3. PERIGO.

Se tudo se encontra coberto por uma capa de pó, as irregularidades técnicas das máquinas ficam camufladas, com consequentes riscos de avarias e acidentes. Além disso, solucionar uma avaria será mais trabalhoso e arriscado.

4. MOTIVAÇÃO.

Não se pode manter as pessoas motivadas quando um dos elementos do estado de ânimo se encontra descuidado. Os fatores higiénicos são fundamentais para manter o pessoal receptivo e proativo, promovendo a melhoria contínua. É muito difícil exercer uma liderança forte se os operários tiverem que trabalhar em condições lamentáveis de desordem. Não é por acaso que, no ambiente de Lean Printing, cada coisa tem o seu lugar, sendo isso um dos pilares fundamentais, sustentando as restantes ações que nos levarão ao caminho da excelência industrial. Oprimeiro objetivo de um Lean Printer deveria ser conseguir um espaço de trabalho adequado para facilitar a eficácia e a eficiência dos nossos processos. Esta meta se consegue basicamente trabalhando três aspectos:

1. Liderando com exemplo

– Mais do que convencer os outros, devemos demonstrar de forma visível que nós também acreditamos. Não podemos exigir que se mantenha tudo organizado e, ao mesmo, tempo ter o nosso espaço num desastre.

2. Dando formação

– Aprende-se a ser organizado. A técnica e a metodologia dos 5S (cinco S) tem que ser uma ação formativa inserida no plano de formação da empresa.

3. Alocar recursos

– Para se conseguir uma gráfica limpa tem que se fornecer tempo e meios materiais aos operários. Se não encaixarmos os processos de limpeza no plano de produção, não podemos ficar frustrados por não atingirmos os resultados desejados.

Resumindo, o nosso objetivo deveria ser conseguir um espaço de trabalho similar ao das cozinhas dos restaurantes com várias estrelas Michelin. No final de cada jornada, todos os empregados dedicam algum do seu tempo a limpar e a colocar cada utensílio no seu lugar.